BDRs: o que são e como investir?

A sigla BDRs é utilizada para se referir a Brazilian Depositary Receipt, que significa um certificado de depósito emitido e negociado no Brasil, com capacidade para representar ações de empresas cadastradas em Bolsas de outros países, como exemplo a NASDAQ e a NYSE, dos Estados Unidos. 

Vale lembrar, que esses ativos financeiros são um meio simplificado de os brasileiros conseguirem realizar investimentos em companhias negociadas em Bolsas internacionais, sem terem que abrir conta em corretora estrangeira ou passar pelas  dificuldades do investimentos internacionais.

No passado, os BDRs eram restritos a investidores mais qualificados, logo, que possuíam mais de R $1 milhão em aplicações financeiras. Entretanto, as regras atualizadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), permitindo que investidores do tipo pessoa física também conseguissem investir em algumas categorias disponíveis dos BDRs.

Desse modo, os brasileiros têm acesso às ações das maiores empresas do mundo todo, como Facebook, Apple, Google e Netflix. Hoje, existem cerca de 600 BDRs na B3, que é a Bolsa de Valores brasileira, sendo um número que está em crescimento. 

No entanto, é necessário ter em mente que os BDRs não são investimentos no exterior, e sim, acompanham a oscilação das empresas estrangeiras. Por esse motivo, quando for investir em um BDRs, não se tornará sócio da empresa internacional, como ocorre em casos de compra de ações no Brasil, pois os BDRs representam ações de empresas, não sendo as empresas em si.

Porém, as ações existem no exterior e precisam ficar depositadas e bloqueadas em uma instituição financeira que funcione como custodiante, logo, realizando a guarda das ações.

Como funcionam os BDRs?

Em termos mais especializados, os BDRs são títulos ou valores mobiliários emitidos no Brasil lastreados em ativos, geralmente ações, emitidos fora do país. Então, em vez de comprar ações diretamente, as pessoas que investem em BDRs compram títulos que representam esses papéis.

Para fazer tais investimentos, os investidores devem depositar e congelar ações em uma instituição financeira estrangeira, que seja oficialmente conhecida como custodiante, e que detém os títulos. Você também é responsável por divulgar aqui as informações societárias e financeiras das empresas cujas ações são  utilizadas como suporte ao BDRs. 

Como analisar BDRs?

Mesmo não sendo tão simples, qualquer investidor pode escolher suas próprias ações estrangeiras ou qualquer ativo de mercado, seja de renda variável ou de renda fixa.

Um certo conhecimento é necessário para fazer boas escolhas, pois o BDR representa uma ótima forma de proteger e diversificar sua carteira de investimentos.

Os seguintes pontos devem ser considerados ao analisar o BDR:

1. Potencial de crescimento

Ao analisar qualquer BDRs, é imprescindível também saber avaliar o potencial de crescimento de uma empresa. Isso porque o número de empresas listadas na bolsa americana é muito superior ao da bolsa brasileira.

É por isso que existem mais empresas com potencial de crescimento alto. Por exemplo, pense em empresas como Amazon e Tesla: ambas têm apresentado resultados muito satisfatórios, e ao mesmo tempo têm um enorme potencial de crescimento futuro.

Sem contar que as empresas nos EUA são geralmente muito maiores do que as do resto do mundo, o que aumenta um pouco a segurança do investimento.

2. Lucratividade

Não só em BDRs, mas em qualquer análise de investimento no mundo, o item de análise mais importante é o lucro.

Para qualquer investidor, a diferença entre o sucesso e o fracasso é escolher negociações lucrativas ao longo do tempo. Portanto, foque em empresas que foram lucrativas por pelo menos 5 anos consecutivos.

3. Segurança

As considerações de segurança devem ser cuidadosamente consideradas ao investir em BDRs.

Assim, as companhias de seguros têm um alcance enorme e as empresas mais valiosas e lucrativas do mundo negociam com BDRs todos os dias.

Desse modo, analise o valor de mercado e a saúde financeira da companhia, que vão influenciar na variação dos seus ativos, além de se atentar em como ela financia o seu crescimento e no endividamento.

4. Diversificação

Quando analisamos um BDRs é imprescindível ter conhecimento sobre a diversificação que está sendo feita. Não somente em relação à moeda, mas com relação à sua localização.

Isso deve ser feito, porque quando há crise no Brasil, o dólar se valoriza em relação ao real. E como os BDRs seguem a variação do dólar, é possível garantir a segurança da sua carteira.

Outro motivo para ter atenção sobre a localização é que os Estados Unidos é um país extremamente diferente do Brasil, tanto economicamente, politicamente e socialmente.

Sendo assim, ele automaticamente influencia nos resultados das empresas que não dependem da economia do Brasil.

Mas, caso você esteja em dúvida, temos uma calculadora com os melhores BDRs disponíveis no mercado para investimento

Como aplicar em BDRs

Para investir em BDRs, é preciso possuir uma conta em uma corretora de investimentos, essa fica responsável pela intermediação com a B3.

Também, é necessário entender muito bem sobre os BDRs que estão disponíveis e compreender qual é o ideal para sua carteira de investimentos.

BDR paga dividendos?

Os BDRs são o reflexo das ações internacionais. Logo, se os ativos correspondentes paguem dividendos, o investidor no Brasil também recebe esse rendimento, já convertido para o real.

Após o pagamento do dinheiro aos investidores no exterior, a instituição depositária possui um prazo de até 5 dias corridos para realizar o crédito em conta para o investidor de BDRs no Brasil.

Além disso, a instituição depositária recebe uma porcentagem dos dividendos que foram distribuídos. 

Investir em BDRs vale a pena?

Primeiramente, devemos entender o BDRs como uma forma de diversificar os seus investimentos aplicando no mercado internacional, porém de forma mais simples.

Desse modo, esses ativos permitem que o investidor acesse ações de setores que por vezes não possuem representantes do Brasil que estejam listados na B3.

Existem também a redução da burocracia, que ocorre quando você abre conta em uma corretora estrangeira, pois, às vezes, ocorrem dificuldades no envio de dinheiro para o exterior, que resultam em variações de câmbio, além dos riscos de estar trabalhando com um mercado que não é muito conhecido.

Outro ponto positivo, é que não terá necessidade de ler vários documentos em idioma estrangeiro. Isso porque as operações de BDRs são dentro do Brasil, em moeda nacional. Além do mais, esse fato também barateia as operações, pois não é preciso pagar pelos custos do câmbio.

 

Deixe uma resposta